Redes híbridas: como a conectividade impacta empresas globais

Redes híbridas: como a conectividade impacta empresas globais

De grandes varejistas mundiais a organizações como a Cruz Vermelha, a conectividade traz uma transformação cultural na forma de se trabalhar

Felipe Stutz , Administradores.com, 11 de julho de 2017, às 12h01

Qual é o segredo das redes de varejo para fazer funcionar uma cadeia de centenas de lojas conectadas mundo afora? Ou de uma instituição global como a Cruz Vermelha, que leva atendimento médico às zonas de guerra de mais difícil acesso do planeta? Parte dele é baseado na comunicação fluida, constante e efetiva entre diferentes estabelecimentos e escritórios, independentemente da posição geográfica.

Para que haja comunicação, é necessária uma infraestrutura que faça a ponte entre as unidades. Mais do que uma mudança de paradigma nos negócios, a conectividade traz uma transformação cultural na forma de se trabalhar: em poucos cliques, por meio de uma ligação ou chat, pode-se vender e adquirir produtos e serviços e estreitar o relacionamento entre empresas e clientes, ou colaboradores de uma mesma companhia que trabalham a quilômetros de distância.

Mas se antes ter um telefone e conexão à internet para enviar e-mails era o bastante, uma interação em nível global demanda formas mais abrangentes e rápidas de conexão, que vão de soluções de voz, telefonia IP, áudio e vídeo conferências, até cloud computing e rede privada virtual (VPN).

Essa complexidade exige uma infraestrutura que responda à altura e que seja flexível para permitir conectividade em qualquer lugar, sem que haja uma explosão nos custos. Nesse contexto surgem as redes híbridas, que combinam ambientes de conectividade e infraestrutura privada de TI, serviços na nuvem e tráfego corporativo via internet. Aqui, vale um adendo: no passado, a prática entre as companhias era a de criar redes virtuais privadas e manter servidores dedicados, com o intuito de manter a segurança da informação. Contudo, essa estratégia preventiva não é mais necessária: se o ambiente híbrido for controlado por diferentes camadas de segurança, estará protegido contra invasões ou roubo de dados.

A ideia é criar mecanismos de comunicação entre colaboradores, clientes e fornecedores por meio das comunicações unificadas de voz, áudio, vídeo e IP, e acesso a aplicativos na rede privada ou na nuvem, independente de onde essa comunicação seja necessária. A Cruz Vermelha, citada no início deste artigo, é um exemplo. A dificuldade de manter redes de conexão de maior alcance no Afeganistão, Iraque e Somália chegou ao fim quando a organização apostou em um serviço de rede gerenciada para 270 localidades, com 440 conexões em 99 países, sendo a maioria na África e no Oriente Médio, através de um mix de acessos terrestres, via satélite e internet.

Se a expansão de qualquer empresa está baseada na capacidade de se comunicar com outros mercados, conectividade deve ser elemento-chave dessa transformação, e abordagens deste tipo funcionam para qualquer tipo de atividade que a companhia exerça.

Felipe Stutz — Diretor de desenvolvimento de negócios Latam e negócios de conectividade da Orange Business Services